Vila Militar vence torneio em homenagem ao polista Armando Klabin

30 de outubro, 2015

A equipe Vila Militar conquistou o título da Copa Armando Klabin, competição de baixo handicap realizada no Itanhangá Golf Club, no Rio de Janeiro, que contou com a participação de quatro equipes em um final de semana de homenagens a um dos maiores incentivadores do esporte no país.

Com um sistema simples de disputa, as quatro equipes participantes fizeram confrontos entre si e, ao final de três rodadas, a formação com a melhor campanha ficou com o título. Com duas vitórias e uma derrota, a equipe Vila Militar, comandada por Preto Castilho, teve o mesmo desempenho de Tigres, mas ficou com a taça pelo confronto direto (Vila Militar venceu Tigres por 10 a 9).

Após a rodada decisiva, realizada no domingo (dia 25), o clube, a Confederação Brasileira de Polo e a família Klabin homenagearam Armando Klabin por seus serviços prestados ao esporte.

Histórico – Armando Klabin Iniciou no esporte na década de 50 influenciado por seus irmãos Daniel e Israel e alguns amigos. Nessa época criou a equipe Tigres, que até hoje participa das principais competições de Polo no país.

Armando é tricampeão brasileiro, sendo o primeiro vencido em 1959 e o último em 1993. Jogou mundo afora: Peru, Chile, Argentina, Uruguai e Colômbia são alguns exemplos. Em uma delas, na Escócia, o frio era tanto que tomar um shot de uísque antes da partida era como tomar um energético nos dias de hoje. Ele foi presidente da Federação de Polo do Estado do Rio de Janeiro, Diretor Capitão de Polo do Itanhangá Golf Club, onde é sócio há aproximadamente 40 anos, espaço que fomentou e fez crescer o esporte.

Ajudou a fundação do Helvetia hoje um dos principais centros de Polo do mundo – com mais de 50 campos. Uma passagem interessante do Helvetia é que ao lado dos campos e casas que ali estavam sendo construídas, a empresa Klabin iria construir uma fábrica e atrapalharia o desenvolvimento do esporte, pois afugentaria investimentos residenciais. Ele interveio e conseguiu mudar o lugar da fábrica sem prejuízo para ambos.

Apaixonado e cuidadoso com os cavalos. Não há um dia que quando está em Araras, Fazenda Paraíso, Pantanal ou Helvetia que deixe de repassar cavalo por cavalo, sempre oferecendo a eles a sua marca registrada: um pedaço de rapadura, como se fosse para agradecer a felicidade que o animal lhe traz apenas por existir.

Casado com Rosa Maria, mãe de Daniela. Wolff. Bernardo e José. Rosa que sempre apoiou o marido e depois os filhos.